ETAPAS DE UMA PAQUERA: 3- Regar a terra e esperar as sementes brotarem

clip_image001

Nunca imaginei que conseguiria esperar uma semana apenas para enviar uma mensagem via SMS! Pois é, esta é a etapa em que dependo de um retorno para continuar e quando ele não vem, não posso desesperar e agir por impulso, tenho que realmente “esperar as sementes brotarem”…

O que fazer com minha ansiedade? Tenho que aprender a esperar e pronto. Fácil? De jeito nenhum.

Não sei o que de fato está acontecendo, comecei a pensar nele?! Era só o que me faltava… Aposto que ele nem sabe direito que existo, tenho que lembrar sobre este “detalhe” quando envio mensagem! Bem, enviei a mensagem e, claro, fiquei o dia inteiro sem resposta. Ela só veio no final da tarde! Na empolgação enviei uma outra mensagem e NADA! Agora sim ele voltou ao “normal”, ou seja, nem respondeu.

Tudo bem, ainda vou esperar. Qualquer novidade, escrevo!

Um grande beijo,

clip_image003    Melancia

Anúncios

ETAPAS DE UMA PAQUERA: 2- Plantar sementes

clip_image002 Noooooooooosssssssa! Consegui esperar até a próxima vez de nos vermos. Como primeira etapa “adubar a terra”, não podia seguir com a segunda etapa sem saber como ele reagiria: se seria indiferente ou se daria sinais…

Pois é, chegou o grande dia! Esperei. Esperei de novo. Esperei mais uma vez. De repente, ele apareceu e para minha surpresa sorriu e iniciou uma breve conversa. Na hora pensei nas sementinhas que deveria plantar!

Minha cabeça começou a pensar em tantas possibilidades que até doeu! Iniciamos a breve conversa com banalidades e óbvio, com algumas perguntinhas para tentar descobrir alguma coisa sobre ele.

Até parece que consegui… mas valeu! Ele foi receptivo e isso é o que importa. Droga, comecei a pensar nele fora do período pré-estabelecido… isso não estava nos planos! Tudo bem, é apenas euforia para seguir em outra etapa…

Etapa 03: Regar a terra e esperar as sementes brotarem.

Um grande beijo,

clip_image004    Melancia

ETAPAS DE UMA PAQUERA: 1- Adubar a terra

clip_image001

Ufa!!!!!!!! Achei um “carinha”, não achei ele… bonito?! mas também não prestei muita atenção nisso. Será ele e ponto final, sabem por quê?

Cansei de encontrar gente casada, noiva, compromissada… homens tão descarados ou não encanados ou que vocês quiserem achar… que não estão “nem aí” sobre isto: tenho que contar um fato, um deles chegou a tirar rapidamente a aliança da mão esquerda (EU VI, tonto!!!) e veio conversar, claro que do jeito que sou a PRIMEIRA coisa que comentei foi sobre a retirada da aliança. Ele disse três pérolas que tenho que dividir com vocês:

1) Coloco a aliança para parecer mais atraente para as mulheres (?!); não sou casado de verdade (?!). Ao comentar mais uma ou duas coisinhas, ele confirmou ser casado e acabou soltando outra pérola:

2) Você é ciumenta? Eu não sou e espero que não seja (?!). Será que a mulher dele sabe disso e também não é ciumenta? (ah, tá…). Ao comentar outra coisa (tudo bem, confesso que insisti na conversa para ver até onde iria a cara de pau do cara!), sobre o amor que sentia por sua mulher ou porque ele fazia aquilo, veio a última pérola:

3) Saio com outras mulheres para “reforçar” o amor que sinto pela minha! (??????!!!!!) Será que a mulher dele sabe disso? Que amor é esse que precisa toda hora ser “reforçado”?

PERDI muita coisa longe deste mundo nestes mais de 20 anos!!! Eu não quero ninguém assim, claro que este é um motivo para nem conhecer a pessoa que diria ficar! Cada um é único, não julgo quem faz isso ou aquilo, mas para mim, não serve, não é correto.

Quando disse que será ele e pronto, é porque foi o único SOLTEIRO, sem penduricalhos e enroscos que encontrei. Putz, não sei por onde começar! (já sei, vocês devem estar dizendo… do começo, horas bolas!)

Como não sei ser moderna como a maioria que observo, vou tentar do meu jeito tradicionalista…pode parecer demodê, mas será verdadeiro, estarei sendo sincera em pensamentos, sentimentos e atitudes!

Vamos lá:

* Plantar sementes: preciso ter um canal de comunicação, uma forma de dizer olha eu aqui! Então, fiz uma coisinha…dei um jeitinho de “pegar” o telefone dele. Fiquei com o número por dois dias (até que foi muito!) e pimba, passei a primeira mensagem SMS! Adivinhem o que ele respondeu? – Quem é?

E eu? Já fiquei doidinha…como ele não sabe quem sou? snifsnif… Também, nos vimos acho que umas quatro vezes apenas…

Insisti, passei novamente um SMS me identificando, inclusive com o lugar onde ele me viu. Tá bom, achei que o rapaz, como todo o “resto compromissado e descarado” já fosse me convidar para sair, me pegar no colo… Não respondeu mais nada.

Tá bom. Vou desistir. Mesmo solteiro não significa que queira ficar comigo, além de que ele pode até ser gay e eu não saber!

Tá bom. Ainda é cedo para tirar o time de campo: passei algumas mensagens no mês de agosto…mas ainda nada! Agora em setembro, passei uma única mensagem e desta vez, ele…respondeu quase imediatamente! Claro que não agüentei e passei outra mensagem e ele… respondeu de novo! Não acreditei, ele nunca respondeu desta maneira, quis dizer rápido ou mesmo só responder. Eufórica, passei uma nova mensagem convidando ele para almoçar (achei melhor fazer alguma coisa de dia do que a noite e caracterizar um encontro ou dar na cara o desespero ou algo do gênero) e ele… respondeu de novo!

Mas, com um singelo obrigado!, dizendo apenas que não poderia etc. e tal. Peguei o celular e comecei a escrever várias coisas, nenhuma simpática! Parei, respirei, apaguei tudo e escrevi novamente, uma mensagem meiga, muito meiga, um já entendi, fica para próxima e etc., com um beijo na seqüência e tudo!

Pelo menos as sementes foram plantadas.

Vejo ele de uma a duas vezes por mês. Esta será uma forma de eu ter que aprimorar minha paciência, neste caso…ADQUIRIR e depois aprimorar…

Na próxima semana acho que nos encontraremos, desta forma irei sentir até onde consegui caminhar e pensar na outra etapa.

Um grande beijo,

clip_image003   Melancia

20 anos depois… e AGORA????? Parte 02: Quando o sapo vira príncipe.

clip_image002

ETAPAS DE UMA PAQUERA: o início

clip_image004

Credo, escrever sobre tudo que vivi, não é tão fácil assim, pareceu uma historinha qualquer mas não foi.

O grande problema é que se passaram TRÊS anos e… NADA!

Nada. Nada MESMO!?!

Achei que em minha nova fase: solteira, iria espantar toda “ziquezeira”, iria ferver, fazer e acontecer…pois é, não foi e nem está sendo assim!

No primeiro ano da separação, arrumei duas meninas solteiras para sairmos (ainda sou menina, claro, hehehehehehe…), mas só gastei dinheiro, saímos muito durante a semana: a amizade “durou” um ano exato (olha como era bem sincera… quando comecei a ficar mais isolada por estar tristinha, tomei um “tchau para você” incrível; aquela coisa que comentei sobre amigos da onda no texto em que me apresento a vocês, aliás neste blog/papo sério me aprofundo mais), mesmo assim, nada de paquera!

Não sei por quê? Não acho que sou a última bolacha do pacote, mas não sou tão feinha assim…

Dizem que toda panela tem sua tampa

clip_image006

mas, meu MEDO é: será que nasci para ser frigideira??????????????

clip_image008

 

 

 

Sei que ele já está até morando junto com outra mulher há mais de um ano…como homem sofre com separação, não??!! e eu, sozinha até agora!

Tá bom, talvez neste período em que saí, devo ter agido meio na defensiva ou coisa do gênero, estar mais fechada mesmo, com raiva de tudo e todos…mas CHEGA, né!!!!

Não quero mais ser frigideira! Quero uma tampa e logo!!

Imaginem, 20 anos se passaram e agora? Como paquerar? Isso ainda acontece? O que fazer? O que falar?

Mas para o bem geral da nação (quer dizer MEU próprio!), vou tentar e descrever aqui meu passo a passo na conquista.

Já tô imaginando…do jeito que sou desastrada, em como será engraçado.

Então, a partir de agora, VOU À LUTA! Chega de “xurumelas”, “chororô” e principalmente, de me achar o “patinho feio e infeliz”, também tenho direito de ser feliz!

Boa sorte para mim e para quem me escolher e ser escolhido…

Um grande beijo,

clip_image010   Melancia

20 anos depois… e AGORA????? Parte 01: Quando o príncipe vira sapo.

 clip_image002

 Com 14/15 anos conheci no colégio (em plena 8a. série) um garoto lindo, cheio de vida, inquieto para as coisas,   com uma vontade intensa de viver que se tornaria meu “best friend”.

Uma amizade de cumplicidade, respeito e amor, muito amor. Desde aí, não acredito em amizade entre homens e mulheres; sempre chega uma hora do tal do “silêncio constrangedor”, dos olhares diferentes, ou seja, se ainda não rolou isso com um amigo, ainda vai rolar, acreditem! Aí, nesta hora, você terá que tomar a decisão… só estará em suas mãos! Depois disso, aí sim, dependendo da decisão, tudo continua…

Voltando a história, achava que eu e ele éramos iguais, nas vontades, nas verdades, nos valores – unha e cutícula, sabem?

Mas… do colégio (até a 8a. série) ele foi fazer colegial em outro lugar, ficamos durante este período mais afastados. Ele me reencontrou trabalhando em uma locadora de vídeo (CREDO, isso é velho, hein? Acho que existem pouquíssimas locadoras hoje em dia!) aí, retomamos nossa amizade, nos víamos quase todos os dias.

Um dia, na antiga casa de meus pais, decidi (a tal decisão que citei acima): ao invés da tradicional “bitoca” de oi, nos beijamos de verdade. Meu coração estava diferente, a amizade estava mais forte misturada a este novo sentimento.

A alegria e a euforia foram imensas. Dois jovens, muito jovens… imaginem só, descobrimos muita coisa juntos, nos “misturamos” também; não sabia quem era eu e quem era ele (aliás, descobri isto recentemente… inclusive que somos muito diferentes, mas para a maturidade do momento, achava que éramos iguais…)

Conhecia seus pensamentos pelo seu olhar, até pela forma de respirar…

A vida pulsava dentro da gente.

Passamos toda a adolescência, início da fase adulta e fase adulta juntos, mais ou menos, 22 anos! … mais da metade da minha vida hoje.

Ele foi fazer faculdade e eu, continuei trabalhando (comecei aos 14 anos), só entrei na faculdade com 21 anos.

Tantos sonhos e expectativas. Lembro de muita coisa legal, a principal foi quando entramos com a documentação para o financiamento de um apartamento, aliás, nosso apartamento. O banco “entrou em greve” bem neste momento, desta forma, tivemos que esperar por 2 meses; fiquei desempregada neste período e por nossa sorte, não descobriram. Assinamos os papéis! Só quem passa por isso sabe qual é o sentimento, a euforia que a gente fica: putz, NOSSO SONHO se realizando!!!!!

Só não fiquei mais porque um dia antes, minha avó havia falecido. Eu sei, mas não tem como não esquecer, até porque não fui ao enterro devido a entrevista em São Paulo para assinatura da papelada. Tenho certeza que minha avó deve ter me ajudado lá de cima e vibrou quando conseguimos!

Todo o início, então, é uma delícia: íamos à tôa no apartamento vazio. Uma das primeiras coisas que fizemos foi instalar ganchos para rede na sacada, dito e feito, a gente aparecia por lá para comer pizza e outras comidinhas e para curtir a luz da lua: o apartamento era no oitavo andar, a lua iluminava a sala, lindo de se ver e sentir!

Crescemos juntos como pessoas e profissionais: quando você se forma fica meio perdido, até conseguir a primeira oportunidade e então, ter sua independência financeira – compramos nossos carros, móveis para o apartamento, mas depois…tá bom que dá para esperar arrumar tudo, ainda mais eu e ele, inquietos para conquistar tudo o que temos direito! Assim que a chave chegou em nossas mãos, já fomos morar juntos.

Dormíamos no chão, as nossas roupas e o restante ficavam em caixas de papelão. Estava muito bom, obrigado! Não nos importávamos…

Vivemos por mais 4 anos juntos e muito bem.

Não sei bem a verdadeira causa, mas antes todo mundo achava, inclusive a gente, que “éramos perfeitos” um para o outro… de uma hora para outra, começamos a assumir uma postura diferente um com o outro, um pouco agressiva, desrespeitosa, às vezes, até indiferente! Será que foram as responsabilidades, o trabalho excessivo, nosso cansaço com a rotina para adquirir a estabilidade financeira? Fomos nos esquecendo de nós? Das coisas simples?

Por quê?

Como disse, por não saber o que realmente aconteceu, às vezes, dói. Quando a causa é conhecida, talvez, não que não doa, não é isso, mas a conformidade e a retomada da própria vida, acho que acontece mais rápido.

E assim, quando ele saiu de casa, comecei a me desfazer, de todo o sonho e das minhas expectativas sobre nós.

Vazio, apenas ele.

Aí, você olha, tenta ver onde foi que errou, o que deveria ser diferente e isso e aquilo… suposições e mais suposições! Desta forma, a gente mesmo se coloca em um buraco e ao invés de tentar sair dele, ainda fica um bom tempo “cavando”.

Pior que perder os bens materiais é perder sonhos, perder suas expectativas.

Era para ter sido para a vida toda: fui pega por esta mesma vida! uma bela de uma rasteira…

Hoje moro em uma casa alugada, me desfiz das coisas que tinha, ainda irá demorar para comprar um outro lugarzinho para ser meu, mas tudo bem, ainda estou me reestruturando, tanto pessoalmente como financeiramente.

A vida é isto: encontro e desencontro, uma hora se ganha, uma hora se perde. Desta forma, vamos aprendendo a evoluir em valores, estes é que são verdadeiros tesouros. Sábio é aquele que aproveita estes embates da vida para refletir, isto não significa procurar “culpados”, mas olhar com carinho para si próprio e ver o que de fato a vida quer te mostrar e te ajudar na sua própria evolução.

Estou aprendendo a cada dia a viver bem comigo mesmo, a me amar!

Mágoa, raiva, ou qualquer outro sentimento contrário ao AMOR, não guardo de jeito nenhum, não vale a pena para si mesmo!

Um grande beijo,

clip_image004  Melancia

PERIPÉCIAS IMOBILIÁRIAS-Capítulo 4

Agora para você, o último capítulo da saga a “busca do lar doce lar”!!!

A casa encontrada. Achei uma casa finalmente, quase nos “últimos minutos do segundo tempo”! Meio bolorenta, mas não tenho mais tempo. Diminui meu grau de exigência, faço depois um tratamento com algum alergista para poder continuar a viver, mas tudo bem!

image

Visitamos a casa (eu e minha mãe). Já escolhi meu quarto. A parte de trás estava podre, sem porta nos quartinhos dos fundos… não exijo mais, tendo TETO, agora já está de bom tamanho.

No banheiro, os vidrinhos da janela estavam quebrados, mas tem teto! Abri as gavetas do móvel do banheiro para ver se estavam OK, até porque se não estivessem, tudo bem! eu mudei, lembram-se?

Um monte de preservativos… olhei para minha mãe e não me agüentei, falei:

                                  alguém neste mundo tem que transar!!! image

Entrei com toda a documentação. Estaria sem casa até agora se estivesse esperando. Parece que tinha um processo com o antigo inquilino e a documentação estava enroscada (muito azar! pensei na época, hoje vejo que foi sorte!) Puxa, depois de mais de 55-60 imobiliárias, mais de 80 imóveis visitados e agora isto!

Visitei outras casas bizarras: em uma a cozinha tinha as paredes e o piso vermelho, dizem que esta cor estimula o apetite, não sou magrela ou tenho alguma dificuldade para comer (aliás, esta é uma das minhas especialidades!).

What’a hell!!!!!!

image

Em outras, o banheiro era dentro da cozinha (eu gosto de privacidade! imagine soltar pum…),

image

 

garagens sem portões, casas sem garagens, salas sem teto, casas que enchem com chuviscos, chuvas e “chuvonas” etc e tal.

 

Como conheci pessoas “sem noção”, não é uma questão de gosto, é uma questão de bem estar e segurança!! Cada gosto, viu?

Mas saber enfiar a faca na hora de cobrar aluguel, isso TODO MUNDO sabe, independente da cultura, educação, valores…image

Um outro dia fui em um bairro e me lembro que tanto eu como minha mãe não gostamos do lugar, achamos longe, vimos a casa apenas por fora e nem quisemos entrar!

Hoje moro três casas ao lado desta que odiamos… o que faz a necessidade! Vai entender.

Acho hoje o lugar legal, me acostumei com o barulho da avenida, o pó preto que impregna a casa, a dificuldade de manobrar na avenida para colocar o carro na garagem (cabe um apenas e justo)… mas, tenho uma vez por semana, quando não estou trabalhando, uma feira à porta, posso começar meu dia com um pastelzinho SHOW de bola!

image

A mudança foi um parto, tive que usar um carro emprestado (FORD KA) pois no meu aniversário roubaram o meu e estava sem; foram várias viagens. Também tive dificuldade na documentação, mas saiu.

Tenho “um lar”, é só pagar direitinho que tudo bem…

Digo que é possível mudar em um FORD KA! Possível, mas não confortável e fácil… não recomendo!

image

Como consegui sozinha, sei lá, mas até poltrona coloquei dentro!

(confesso: foi bem difícil de tirar…)

Um grande beijo,

image   Melancia

A seguir, fotinhos do novo lar!!!!!!!!

Meu quarto!

image

                                                 

 

 

 

Acampar em casa: colchão de ar (Ai que medo da unhinhas da Júlia!!!)

image

Quarto da Mixirica!

image                                                   Cozinha!

image

Júlia lendo as instruções de montagem para ajudar a mamãe…

image

 Maleta do Gato Félix!

image                                     Sem ela não sei viver… quer dizer, sobreviver!

image

Mãos à obra: mas mesmo assim, repare em minhas unhas… Chique, não???

image image

FIM

Troca de Experiência

Não somos donas da razão. Até porque se isso fosse verdade, a gente não passaria por momentos difíceis, não sofreríamos, mas também, não aprenderíamos nada com essa vida!!!

Aqui queremos que você opine ou pergunte sobre o que tiver vontade. A resposta será de acordo com a vivência de cada uma de nós.

Vamos lá?

Um grande beijo,

clip_image003   Mixirica

e

clip_image005   Melancia

PERIPÉCIAS IMOBILIÁRIAS–Capítulo 3

Olá, tudo bem? Vamos continuar…

Apesar de ter acontecido outros entraves para encontrar um lugar para morar neste mesmo período, estou escrevendo apenas agora.

Não sei ao certo em quantas imobiliárias me cadastrei, acho que entre 55 e 60, visitei uma infinidade de lugares, conheci gente de todo o tipo, mas cada vez o aluguel mais alto para moradias cada vez piores, lá vai mais algumas que marcaram…

Quero deixar claro que nasci em Santo André e sempre morei no ABC, e mesmo assim, desconhecia tantos lugares bizarros, estranhos e medonhos da cidade, que NUNCA tinha ouvido falar, isto porque para mim esta cidade era um “ovo”! Só se for de avestruz…rsrs

A casinha azul.

image

Em uma das imobiliárias, mesmo após ficar cansada de explicar até quanto eu gostaria e poderia pagar, novamente fui levada em lugares bem legais, mas claro, bem acima do que expliquei. (Será que não ficou claro? O que acontece com o ser humano?)

Quando a corretora caiu em si, disse que pelo valor poderia me oferecer uma casinha azul, que na verdade precisaria apenas de alguns “PEQUENOS” consertos (!!). Depois de “andar” de carro, km,km, km… a velha história do é logo ali!!, chegamos: eu e minha mãe. Coitada, ainda bem que ela foi apenas em alguns empreendimentos…

Ah, a casinha azul… a tão falada casinha azul… a rua terminava em um barranco (pensei na hora em chuva?!); o portão de entrada não vi, porque também não tinha. Vidro na janela da sala para quê? A porta da sala super. segura, muita razão de existir uma vez que a gente pode entrar pela janela da sala que é baixa e sem vidros. No fundo da casa, mais barranco.

Me lembrei na hora do Toquinho: “não tinha teto, não tinha nada, mas era feita com muito esmero, na rua dos bobos…” Eu, a boba, claro!!!

Pequenos consertos? Um teto, uma janela, um portão… isso são “consertinhos”‘? O quanto eu teria que gastar? Quase terminar de construir…

Sem palavras nº4. Credo, credo, credo.

Depois disso, tive que repensar e fui obrigada a subir o valor. image

 

Mulher polar.

image

Tenho que citar uma residência que visitei. A proprietária, com certeza, tinha a “síndrome do frio polar”: tinha carpete em todos os cômodos, INCLUSIVE na copa! ou ela ganhou o carpete, ou ganharia alguma coisa por instalar X metros quadrados de carpete, ou melhor, hiperfaturou a obra para desviar dinheiro do marido!

Que frio é este? Sem chance.

Sem palavras nºX já perdi a conta, já passou de 4 há muito tempo!

Casa toca do tatu.

image    Pelo menos assim pareceu.

Entraram em contato comigo para ver esta casa. Adivinha, minha mãe pôde ir (ela me disse que coloco ela em roubadas, mas vocês estão lendo que não tive culpa!).

Parei com o carro em frente a casa (o bairro não era tão escondido). A corretora pegou um molho de chaves e parou em frente a uma “portinha” do lado esquerdo do portão: eram duas casas no mesmo terreno. Pensei: não é o que quero, mas o tempo começou a ficar curto. Precisava de um lugar, então, “bora” ver!

Entramos pela tal da “portinha” do lado esquerdo. ATENÇÃO: era obrigatório entrar pelo lado esquerdo porque o direito era do outro inquilino.

(Quando a corretora disse isto, ela realmente usou CAPS LOCK!)

Ambas as “portinhas” caiam EXATAMENTE na MESMA garagem!hahahahahahahahahahahahahaahahahahahahahahahahahahahahahahaha… não existia entrada independente para as duas casas, ai, Jesus, dá-me paciência!

Tem gente que realmente acredita que entrada independente em dois imóveis se refere a portas diferentes… fala sério!

Bem , vamos continuar. A casa para alugar era “a de baixo” (palavras da corretora). Esta, começou a descer, descer, descer… achei que fosse chegar em uma mina, quase pedi a lanterna, o capacete e o carrinho… cadê os trilhos?

image  Só faltou isto.

Me senti a própria branca de neve em busca dos sete anões!

image

A sala da casa não tinha janelas, a cozinha, bem, apenas uma janelinha no alto da parede, daquelas que a gente não mexe. Ao lado do local onde ficaria o fogão, tinha um banheiro, pois é, enquanto eu cozinho, converso com quem está usando o vaso sanitário!

Legal demais, não? Calma, quem sabe os quartos eram bons.

Os quartos eram “em cima” (da onde não sei…). A corretora pediu para prestarmos ATENÇÃO (de novo usou tom em CAPS LOCK…) com a escada, pois era estreita, os degraus curtos (sério, uso calçado 35/36 e meu pé não dava no degrau!) e muita gente tropeçava. (mais uma obra realizada por algum gênio do gênero “não preciso de orientação sei o que estou fazendo”…) imageSubimos e de repente, a própria corretora ao se virar para olhar para a gente para falar sobre os incríveis detalhes da casa, tropeçou e foi lançada com violência de encontro com a quina da parede do banheiro, bateu fortemente a cabeça.

Meu Deus! Chamem o resgate! (quase chamei).

image

Meio sem graça, ela se levantou. Me ofereci para ajudá-la, mas enquanto eu falava, tropecei em um degrau dentro do banheiro entre a porta e a pia, me segurei na parede e quase caí.

Na hora, imaginei caindo no banheiro e minha mãe na escada, uma não conseguindo ajudar a outra.

Me fala, quem constrói uma casa desta forma, sem nenhum critério de segurança? Minha mãe estava “P” da vida, quando entrei no carro para irmos embora, apenas disse:

“NÃO TENHO VOCAÇÃO PARA SER TATU!”

(Bota CAPS LOCK nisso…)

Entendi. Fechei a boca na hora, sabe né, mãe é mãe, fiquei quietinha, quietinha…

image  Credo, credo, credo.

Continuo depois!

Um grande beijo,

image    Melancia

PERIPÉCIAS IMOBILIÁRIAS-Capítulo 2

Vamos ao segundo capítulo da saga da busca do “lar doce lar”!

2º apartamento: Estava chovendo torrencialmente (mau presságio, agora tenho certeza disso!), após “andar” a carro, km ,km, km entre ruas horríveis de algum morro, talvez do morro “do macaco perdido”, páro em frente ao empreendimento imobiliário que a corretora disse ser o “máximo”.

image

Depois de meter o pé na enxurrada com minha mãe, aliás, a frente do local estava tomada de água, não era possível visualizar calçada alguma, mas segundo ela, era somente a rua que enchia de água – ou seja, se você está dentro não sai ou se está fora não entra!

Pensei se não tinha o risco de nós contrairmos leptospirose, mas por garantia resolvi colocar eu e minha mãe em observação nas 72 horas seguintes…

image

Após passar a portaria e continuar a caminhada, chegamos ao prédio: 4 portas lado-a-lado. Pelo menos o que está disponível é o do canto, porém, justamente o que estava parede com parede, do lado de fora da porta, tinha plaquinhas com vários dizeres como: sangue de Jesus tem poder, Cristo é único, Deus é fiel (esta eu não entendo, porque Ele tem que ser fiel a alguém?), imagens de Santos junto, outras mensagens, ou seja, referência a várias religiões.

image

(mau presságio número 2 para mim: por quê tanto pedido para proteção se ela disse que o lugar era tão seguro, me deu um certo medo até!)

Ao abrir a porta,

image

acho que umas sete trancas, isso porque de novo ela falou que morou neste lugar há muitos anos e que era “extremamente” seguro, fomos deparadas com um odor maravilhoso de flores guardadas úmidas e há muito tempo em uma era, muito, muito, mas muito distante…

 

Bem, não é preciso novamente escrever que odiei e disse: Que legal! Uau, já tem piso frio! Pensei em minha lápide com cheirinho de “domingo crescente”…

image

Sem palavras nº3. Credo, credo, credo.

Bem, a saga continuará. Nada despertou simpatia, que diria vontade de morar!

Um grande beijo,

image

 

 

 Melancia

PERIPÉCIAS IMOBILIÁRIAS–Capítulo 1

Conforme combinado, vamos ao primeiro capítulo da saga da busca do “lar doce lar”!

1a. Imobiliária: Fui/ Vi e… NADA!

A corretora me indicou um lugar na Vila Assunção (nunca soube que ali era ainda a Vila Assunção…): só de ver os dois predinhos verdes com uma MAMA em uma janela e outra em outra conversando (prédios diferentes, claro!)… senti um pouco de sei lá o quê, imagina sua vida comentada assim, literalmente aos quatro ventos, porque lá de baixo pude ouvir que falavam sobre uma moradora… É preciso escrever que nem quis ver o apartamento? Sem palavras nº1.

clip_image001

2a. Imobiliária: Credo/Credo/Credo

Corretora confusa ao quadrado, também, mãe de aluno da minha mãe… rsrsrs (tá bom, esta foi só para cutucar minha mãe…) Depois de falar + ou – 12 vezes sobre o valor que QUERO e POSSO pagar e ouvir ela me oferecendo + ou – o TRIPLO de vezes a mais, concordei em sair para ver mais dois: confesso, acho que caí do carrinho de bebê e bati a cabeça e minha mãe nunca falou a verdade…

clip_image003

 

1º apartamento: sem elevador, 6, disse, SEIS lances longos de escada até o mesmo (nem com apenas uma bexiga na mão chegarei com meus batimentos cardíacos normais até o apartamento, imagine com sacolas de compras ou quando tiver 10 anos a mais??!!). Pequeno, desconfortável, máquina de lavar do lado da geladeira,

clip_image005        do tipo, abro uma cerveja enquanto jogo roupa suja na máquina…

clip_image007

Ah, que idéia criativa: o proprietário derrubou a parede entre a cozinha e a sala e colocou uma mesa de jantar com quatro cadeiras (ou você senta na cadeira ou no sofá, porque não dá para fazer as duas coisas ao mesmo tempo), pior, tive que na hora concordar e achar o “máximo”!

Bem, a corretora resolveu me mostrar o salão de festas – depois de ir e vir e eu “entre dentes” avisar a mesma que isto NÃO era prioridade para mim, tive que ir conhecê-lo: paredes sem janelas ou portas… imagine uma festa, quer dizer sauna entre amigos, lembram-se do que falei?!, imagine esquecer ou ter que ir buscar alguma coisa no apartamento, sabe aquela coisa do “vou buscar rapidinho”…

PREPAREM-SE, aqueles que já me conhecem ou irão conhecer, a partir de agora vocês DEVEM iniciar um rigoroso programa de exercícios físicos atrelados a nutrição saudável… acho que seria interessante já ter o foco na “São Silvestre” deste ano:

Vamos lá galera!!!!!!!!! um,dois,um,dois,um,dois,um,dois,um,dois,um,dois,um,dois…

clip_image008     Sem palavras nº2. Credo, credo, credo.

Um grande beijo,

clip_image002_thumb Melancia